Fandom

Wiki AIA 13-17

Anamnese Neurológica

333 pages em
Este wiki
Adicione uma página
Comentários0 Share

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Editor: Guilherme Garrido Pelloso

Colaboradores: Danilo Burko, Airton J. Camilotti Jr, Larissa Fabri, Luiz Brandão e Oquesana Silva

ANAMNESE NEUROLÓGICA Editar

A importância da anamnese neurológica, é fazer uma detecção de alteração de humor, atenção ou fala, na marcha, mudanças na orientação, na autopercepão ou julgamento, além de cefaleia, tontura, vertigem, desmaio, sincope, convulsões, fraqueza, paralisia.

Os sintomas mais comuns são:

·         Alteração de humor, atenção ou fala

·         Alteração na orientação, memória, percepção ou julgamento

·         Cefaléia

·         Tontura ou vertigem

·         Paresia generalizada, proximal ou distal

·         Dormência

·         Fraqueza

·         Alteração de sensibilidade

·         Perda de consciência, sincope, ou quase sincope

·         Convulsões

·         Tremores, movimentos involuntários

   

A medida que há a conversação com o paciente e ouvindo a sua história, é possível ir avaliando seu nível de consciência, estão geral e humor, além a capacidade de prestar atenção, lembrar, compreender e falar. É possível analisar o grau de percepção e o julgamento que o paciente tem a respeito da sua doença.

Caso o médico tenha uma suspeita de um problema de orientação e memória pode-se por exemplo fazer as seguintes perguntas: Que dia é hoje...? Onde você está...? Qual é o seu nome...?

Todos os pacientes com:

  • lesões comprovadas ou suspeitas no cérebro
  • sintomas psiquiátricos
  • relato de sintomas comportamentais vagos
  • alterações comportamentais relatadas por membros da família

Exigem uma avaliação sistemática aprofundada.

==                CEFALÉIA/TONTURA; ==

Cefaléia e Tonteira são os dois sintomas mais comuns de transtornos neurológicos;

CEFALÉIA deve ser feito uma avaliação cuidadosa, pois uma pequena fração das cefaleias decorre das afecções são potencialmente letais. É importante ressaltar que a cefaléia é uma dor então tem que ser feito todas as perguntas referente a dor;

·         É uni ou bilateral?

·         Contínua ou pulsátil?

·         Persistente ou vai e volta?

·         Qual a Intensidade?

·         Qual a Localização?

·         O problema é novo e agudo? ou é Crônico e recorrente, com poucas modificações no padrão?

·         A qual horário essa dor acontece?

Cefaléias que se modificam ou se intensificam progressivamente aumenta a probabilidade de tumor, abscesso ou outra lesão expansiva;

Cefaléia intensa sugere hemorragia subaracnóidea ou meningite.

O médico após essas perguntas deve perguntar sobre sintomas associados como:

·         Apresentou náuseas e vômitos? (comum na enxaqueca/ tumores cerebrais/ hemorragia subaracnóide)

·         Teve alteração na visão ?

·         Percebeu algum déficits sensorimotores?

·         Duração (foi de agora, vem piorando, começou faz 10 minutos mas é a pior dor da usa vida)

·         Apresenta tosse? Espirros? Rinorréia? Fotofobia? Fonofobia? Lacrimejamento ocular?

·         Existe fator de alivio?

·         Existe algum fatores de piora?

E faça um levantamento da história familiar

[Localização, Intensidade, Duração e sintomas associados, como alterações visuais, fraqueza  ou perda de sensibilidade, cefaléia é afetada por tosse, espirro ou movimentos súbitos da cabeça]

==CEFALÉIAS PRIMÁRIAS ==

Enxaquecas: 70% delas são unilaterais, 30% pega a cabeça toda ou a parte da cabeça. Geralmente é pulsátil, de início rápido de duração de  até 72 horas. Associada a náuseas, fotofobia, fonofobia, com ou sem aura (aura sintomas que podem predizer a crises, luzes na visão, cheiro, barulho...); Se tiver aura ou não poderá mudar o tratamento, a maioria não tem mas quem tem normalmente tem que ser um tratamento mais agressivo. A enxaqueca é a vasodilatação então se você fizer uma compressão na lateral da cabeça do lado dolorido ela pode aliviar essa dor.

TENSIONAL: É aquela dor de cabeça de final de tarde, é normalmente relacioando a estresse, bilateral ou generalizada, aperto de leve a moderada (gradual) pode durar de minutos a dias, pode ter fono e fotofobia, mas não tem náusea. É uma diferenciação. Pode ter náusea como sintoma de ansiedade; 

CEFALÉIA EM SALVAS: Unilateral, contínua não é pulsátil, bem forte, inicio abrupto de uma hora pra outra, duração de até 3 horas pode ter lacreimejamento, rinorréia, miose (contração da pupila), ptose e edema palpebral. 

==CEFALÉIA SECUNDÁRIA ==

- Rebotes de analgésicos (paracetamol principalmente). Utiliza-se o medicamento de modo cronico e daqui a pouco, por alguma razão, é interrompido o tratamento e é nesse momento que tem uma cefaleia de rebote por praticamente uma abstinência.

- Distúrbios oculares

- Sinusite

- Meningite: forte, pulsátil, generalizada;

- Hemorragia subaracnóide, “pior dor da minha vida”.

- Arterite temporal; é uma inflamação das camadas elásticas das artérias

- Dor pós traumática; terá que pesquisar na anamnese se o paciente caiu bateu a cabeça ou algo relacionado.

-Neuralgia do trigêmeo (é uma dor em choque e causa o lacrimejamento).

TONTURA/VERTIGEM Editar

Quando um paciente chegar dizendo que esta tonto ele tem que explicar como esta sendo:

·         perda de equilíbrio?

·         esta girando tudo (vertigem)?

·         esta se sentindo atordoado?

·         apresenta sensação de “cabeça vazia”?

Todos essas sensações relatadas são pertinente a tontura.

Em pacientes mais idosos, deve se indagar se esse paciente esta utilizando algum medicamento e se o mesmo não esta contribuindo para a tonteira? Se esse medicamento não esta causando intoxicação, ou se o paciente não esta tomando remédio de forma errado.

SINTOMAS ASSOCIADOS

DIPLOPIA (Visão dupla)

DISARTRIA (Dificuldade de fala)

ATAXIA (Dificuldade na marcha)

Obs.: Esses sintomas associados ocorrem em AVC de circulação posterior ou em Ataque Isquêmico Transitório (AIT)

FRAQUEZA OU PARALISIA: AVC, AIT (Acidente isquêmico translado) ;

FRAQUEZA FOCAL: Lesões isquêmicas, vasculares ou expansivas do SNC

DOENÇA DO SN PERIFÉRICO: Distúrbio neuromusculares, patologias dos músculos,

PROXIMAL BILATERAL: Miopatias

Existe alguma paresia (fraqueza)? Ela é generalizada ou apenas no rosto ou ainda é em uma parte do corpo específica? É importante o médico verificar se há a existência de paralisia (incapacidade para movimentar uma parte ou lado do corpo).

·         Paresia iniciou-se de forma súbita ou lenta?

·         Como evoluiu?

·         Que partes do corpo foram comprometidas?

·         Afeta um ou ambos os lados do corpo?

·         Os movimentos foram comprometidos?

·         Hemiparesia: Fraqueza de um lado do corpo, diminuição de sensibilidade

·         Hemiplegia: paralisia total de um lado do corpo (geralmente pegamos em AVC e AIT)

·         Geralmente chega com rosto paralisado e o lado oposto do corpo paralisado pensa em AVC.

VERTIGEMEditar

É uma sensação giratória, acompanhada de nistagmo (tremor do olho) e em ataxia; O nistagmo é capaz de se perceber através do exame físico.

Causas periféricas: Disfunção vestibular periférica, a vertigem paroxística benigna, neurite vestibular, doença de meniere, toxicidade de medicamentos, neuroma acústico (toxicidade de medicamento geralmente periférico)

Causas centrais: Geralmente lesão de tronco central, arterosclerose, esclerose múltipla, enxaqueca basilar, AIT.

==PARESIA PROXIMAL ==

Paresia é uma paralisia incompleta ou diminuição da motrocidade em uma ou mais partes do corpo. No caso de paresia proximal é importante perguntar sobre situações do cotidiano como:

·         Pentear o cabelo

·         Levantar o braço alto

·         Levantar da cadeira

·         Subir degrau

Deve-se perguntar se a paresia aumenta com a repetição do esforçou e melhora após o repouso?

Apresenta algum outro sintoma sensorial ou de outra natureza associado?

==PARALISIA DISTAL DOS BRAÇOS ==

É importante perguntas a respeito dos movimentos da mão, e sempre associando com movimentos realizados no cotidiano como:

·         Abrir latas ou jarras

·         Uso de tesouras, alicate ou chave de fenda

PARALISIA DISTAL DOS MEMBROS INFERIORESEditar

No caso dos membros inferiores deve-se perguntar sobre quedas frequentes

 

O médico deve pesquisar se o paciente apresentou PERDA DE SENSIBILIDADE: “Dormência pode significar parestesia”. Em seguida deve ser estabelecido o que significa dormência para o paciente e peça para o mesmo apontar a localização.

Veja se há alguma dificuldade de movimentação ou só sensação de formigamento

Parestesia, formigamento, picada, calor, frios, pressão à são sensações comuns quando o braço ou a perna “adormecem” após a compressão do nervo.

A disestesias são sensações distorcidas que ocorrem como resposta a algum estimulo e podem ultrapassar a duração do próprio estimulo. Por exemplo, a pessoa pode perceber um leve toque ou uma picada de alfinete como uma sensação de queimação ou formigamento irritante ou desagradável. A sensação de dor pode ser secundária a causa neurológica, mas geralmente é descrita juntamente com sintoma de outros sistemas orgânicos como de cabeça e pescoço ou de sistema musculoesquelético.

LESÕES CENTRAIS (cérebro e medula) e PERIFERICA (raízes e nervos sensoriais e periféricos)

PARESTESIAS NAS MÃSO E PERIORAIS NA HIPERVENTILAÇÃO (isso causa formigamento das mãos e bocas  e isso os pacientes podem achar que é um derrame)

DOR E QUEIMAÇÃO NAS NEUROPATIAS DOLOROSA (Diabetes)

Em uma análise é importante definir o que o paciente entende por perder a consciência. O paciente apagou porém continuava ouvindo vozes durante o episódio? Ou ele apagou por completo? Uma pergunta o qual permite explorar episódios de perda de consciência é “ o senhor já desmaiou ou perdeu a consciência?”. Teve algum sintoma de alerta? Em que posição estava? Quanto tempo durou? A recuperação foi lenta ou rápida? Você caiu e acordou e ficou tudo bem, ou ficou com a sensação de cabeça vazia por um tempo... (paciente jovem pode desmaiar cair no chão e voltar ao normal. Geralmente a pessoa parece que caiu muito tempo) Alguém observou a crise? Houve algum movimento de braços e pernas? (isso se alguém observou a crise, é possível para diferenciar de uma crise convulsiva ou simples desmaio) Houve incontinência urinaria ou fecal? Sonolência ou alteração de memória após o episódio?

==SINCOPE ==

É uma perda súbita porém temporária da consciência, comumente descrita como desmaio.. Ocorre quando há uma redulçao súbita do fluxo sanguíneo para o cérebro.

Sincope vaso depressora ou vasovagal (desmaio comum) hipotensão postural ou ortostática, sincope da tosse, sincope miccional (geralmente no idoso);

PRÉ-SINCOPEEditar

Os sintomas como desmaio iminente, sensação de vazio na cabeça e fraqueza sem efetividade perda de consciência são denominados de pré-sincope.

             Editar

Distúrbios similares a sincope:Editar

·         Hipocapnia por Hiperventilação;

·         Hipoglicemia (falta de glicose para o cérebro vai desmaiar)

·         Desmaio histérico por reação conversiva (geralmente a pessoa de desmaio histérico a pessoa cai sentada e sem se machucar, a pessoa não faz isso porque ela quer mas sim por que é uma fuga do organismo, geralmente ela hiperventila)

CONVULSÕESEditar

A convulsão é uma descarga elétrica excessiva súbita no córtex cerebral ou em suas estruturas subjacentes.

Para iniciar a discussão duas perguntas são importantes como: “Você já teve alguma convulsão?”... “Algum tipo de ataque epiléptico?” Se disse que sim deve obter a discrição completa da crise...

·         Caracterizar:

Idade de início

·         Frequencia 

·         Duração das crises

ReferênciasEditar

BATES, B. Propedêutica Médica. 7ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. 

PELLOSO, Guilherme Garrido. Anotações da aula da Disciplina de Propedêutica Médica. UNIVILLE

PORTO, Celmo Celeno. Semiologia Médica, 5 ed - Rio de Janeiro, 2005. 

Mais da comunidade Wikia

Wiki aleatória