Fandom

Wiki AIA 13-17

Excitação Rítmica do Coração

333 pages em
Este wiki
Adicione uma página
Comentários0 Share

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Editor: Tulio raposa

Colaboradores: Lucas de Melo, Kurt Neulaender, Tiago Vasconcelos Xavier, Carlos Ehrl, Lucas Andrei.

Excitação Rítmica do CoraçãoEditar

O coração é dotado de um sistema capaz de gerar e transmitir impulsos elétricos para a contração do miocárdio. Esse sis

Sistema de purkinje.jpg

http://o.canbler.com/topico/arritmias/insercao-de-um-pacemaker

tema é basicamente composto pelo nodo sinoatrial, vias intermodaultânea das porções do ventrículo.</p>

Nodo SinoatrialEditar

<p class="MsoNormal">Situado na parede póstero lateral superior do átrio direito (conforme figura), também denominado nodo sinusal, o nodo sinoatrial é uma faixa de músculo cardíaco diferenciado. Sendo que quase não possuí filamentos contráteis, mas esta ligada ao musculo atrial contrátil de forma a transmitir os impulsos de contração.</p>

<p class="MsoNormal">Nas fibras desse nodo o potencial de ação é aproximadamente -50mv (mais baixo do que o potencial nas fibras musculares), isso porque a membrana celular nas fibras sinusais é mais permeável aos íons de sódio e de sódio e cálcio. Desse modo, os canais rápidos de sódio ficam bloqueados e só os canais lentos de sódio-cálcio podem participar da despolarizaçao, oque torna o processo de despolarização, bem como o de repolarização, mais lento.</p>

<p class="MsoNormal"> </p>

<p class="MsoNormal">
Pot acao sinusal.jpg

http://www.virtual.epm.br/material/tis/curr-bio/trab2000/cardiovasc/excitab.htm

As fibras do nodo sinoatrial são dotadas da capacidade de autoexcitação e dessa maneira controlam a frequência cardíaca normalmente, pro o interior da célula, sendo que o potencial de repouso gradualmente aumenta entre os impulsos até atingir o limiar de -40mv, e assim, deflagrar o próximo impulso.</p>

<p class="MsoNormal"> </p>

<p class="MsoNormal">Dois acontecimentos contribuem para que a membrana não permaneça constantemente despolarizada. Em primeiro lugar os canais de sódio-cálcio se fecham após 100 – 150ms após sua abertura  e após o fechamento um grande número de canis de potássio se abrem permitindo um grande influxo da potássio. Esse influxo de potássio se estende por décimos de segundo criando uma hiperpolarização e elevando o potencial à -65mv. Após esse fenômeno o vazamento de íons faz com que o limiar de -40mv seja novamente atingido.</p>

<p class="MsoNormal"> </p>

<p class="MsoNormal">A transmissão desses impulsos é muito rápida e se dá através da banda interatrial anterior e das vias internodais anterior, posterior e média. Essas fibras se assemelham as fibras de purkinje no ventrículo.</p>

 Nodo AtrioventricularEditar

<p class="MsoNormal">
Tempos condução cardíaca.jpg

http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAZdkAD/bases-eletrofisiologicas-conducao-automatismo

Situndo. Esse atraso pode ser explicado pelo pequeno número de gap junctions entre as células dessas vias, resultando em uma resistência a passagem de íons.</p>

<p class="MsoNormal">É importante salientar que os átrios são isolados dos ventrículos por uma barreira fibrosa, que impede a passagem de impulsos diretamente entre eles. Sendo assim, o feixe atrioventricular, em condições fisiológicas é a via de transmissão unilateral para os potenciais de ação (sentido átrio para ventrículo).</p>

Sistema de Purkinje VentricularEditar

<p class="MsoNormal">Após penetrar a barreira fibrosa o feixe A-V se estende por mais 5-15mm e então se divide em ramos esquerdo e direito que por sua vez se ramificam em ramos menores e por fim penetram 1/3 da espessura do músculo até se tornarem contínuos com as fibras musculares.</p>

<p class="MsoNormal">Responsável pela transmissão finas dos impulsos aos ventrículos, essas fibras são calibrosas, possuem poucas miofibrilas (praticamente não se contraem durante a propagação do estímulo) e possuem uma velocidade elevada de transmissão. A velocidade de propagação dos impulsos se deve a alta permeabilidade das gap junctions nos discos intercalares que facilita a passagem de íons.</p>

Transmissão no Músculo VentricularEditar

<p class="MsoNormal">As fibras do miocárdio ventricular transmitem o potencial de ação do ponto inferior do ventrículo, onde o potencial chega através do ramo do feixe A-V, até o seu topo. Essa transmissão é mais lenta do que a do feixe A-V e acontece em forma de espiral até o topo, devido a conformação das fibras.</p>

Nodo Sinusal (Marca-passo)Editar

<p class="MsoNormal">Em condições fisiológicas a auto excitação do nodo sinusal funciona como um marca-passo cardíaco com frequência de 70-80 vezes por minuto. Entretanto o nodo A-V e as fibras de Purkinje também tem a capacidade de auto excitação com frequências de 40-60 e 15-40 vezes por minuto respectivamente. Pode-se dizer então que em condições normais o nodo sinoatrial prevalece sobre os outros, pois sua velocidade é maior, de modo que ele atinge um novo limiar de excitação antes que haja a auto excitação por parte do nodo A-V ou das fibras de Purkinje.</p>

<p class="MsoNormal">Em situações patológicas pode haver o desenvolvimento de marca-passo ectópico, ou seja, ou o nodo A-V ou as fibras de Purkinje passam a exercer o papel no nodo sinusal. Uma dessas situações é o bloqueio A-V, nesse caso o sistema ventricular de Purkinje normalmente assume os batimentos ventriculares e o nodo sinusal continua a comandar os átrios. O início dos comandos nas fibras de Purkinje sofre um pequeno atraso (5-20s), onde normalmente a pessoa desmaia, em razão do das células dessas fibras estarem “overdriven”.</p>

Estimulação ParassimpáticaEditar

<p class="MsoNormal">A estimulação parassimpática é feita através dos ramos de nervo vago que se distribuem principalmente para o nodo sinusal e nodo A-V e pouco para a musculatura atrial e ventricular. Essa estimulação provoca a liberação de acetilcolina e reduz a frequência do nodo sinusal e reduz a excitabilidade das fibras A-V deixando a transmissão do impulso para os ventrículos mais lenta. Isso porque a acetilcolina aumenta a permeabilidade dos íons de potássio hiperpolarizando a célula e tornando-a menos excitável.</p>

<p class="MsoNormal">O efeito parassimpático é a redução da frequência cardíaca ou sua parada, bem como o bloqueio da transmissão A-V dependendo de sua intensidade. Esse bloqueio leva ao fenômeno de escape ventricular, onde as fibras de Purkinje iniciam estimulação própria.</p>

Estimulação SimpáticaEditar

<p class="MsoNormal">Os ramos simpáticos se distribuem igualmente por todo o músculo cardíaco. Através da liberação de norepinefrina a estimulação simpática tem basicamente o efeito inverso à estimulação parassimpática, ou seja, o efeito simpático aumenta a força e a velocidade da contração. De modo que, com o aumento da permeabilidade dos canais de sódio e cálcio o estímulo diminui o potencial de repouso das células tornando-as mais excitáveis.</p>

<p class="MsoNormal"> </p>

Links ExternosEditar

http://www.youtube.com/watch?v=G2PLgDQnEOU

<p class="MsoNormal">http://www.youtube.com/watch?v=UFivqtRJGOk</p>

<p class="MsoNormal">http://portaldocoracao.uol.com.br/doencas-de-a-a-z/bloqueios-atrioventriculares-i </p>

<p class="MsoNormal"> </p>

ReferênciasEditar

<p class="MsoNormal">KOERBER, Rafael de Geus. Anotação da disciplina de fisiologia. Univille, 2013.</p>

<p class="MsoNormal">HALL, John E.; GUYTON, Arthur C. Tratado de Fisiologia Médica. Elsevier, 12ª edição, RIO DE JANEIRO, 2011</p>

<p class="MsoNormal">CONSTANZO, Linda S. Fisiologia. Guanabara Koogan, 4ª edição, RIO DE JANEIRO, 2008</p>

Mais da comunidade Wikia

Wiki aleatória