Fandom

Wiki AIA 13-17

Micoses cutâneas

333 pages em
Este wiki
Adicione uma página
Comentários0 Compartilhar

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Edutora: Maria Eduarda Kostecki

Colaboradoras: Ana Gabriella Tessarollo e Thais Yuri Miura

Características geraisEditar

As dermatofitoses são micoses da pele, pêlos ou unhas causadas por um grupo de fungos, os dermatófitos, que têm predileção pela queratina humana e animal. As infecções restritas ocorrem nos tecidos mais queratinizados. Em tecidos mais profundos são as infecções supurizadas, que são mais raras.
As dermatomicoses são causadas por fungos hialinos, fungos demacios e Candida sp. As dermatofitoses são as dermatomicoses mais freqüentes.
Três espécies de fungos são responsáveis por essas condições clínicas, são eles: Trichophyton spp,
Microsporum.jpg

Microsporum spp.Fonte:http://archive.bio.ed.ac.uk/jdeacon/FungalBiology/chap16_i.htm

Microsporum spp, Epidermophyton sp.


As dermatofitoses são caracterizadas por três tipos clínicos:
•    Impigens: lesões circulares, bordos elevados, eritematosas, pruriginosas. Ocorrem mais frequentemente na face e em regiões de pele glabra.
•    Querion de Celso: lesões folículo piloso alta/inflamadas e supuradas. Decorrente da invasão dérmica do folículo piloso e posterior reação inflamatória.
•    Escútulas (favos): lesões arredondadas, elevadas com depressão central. Essa depressão é devido à queda do pêlo.


A intensidade das lesões depende:
•    Resposta imunológica do hospedeiro' '- Capacidade da derme de responder aos metabólitos produzidos pelo parasitismo do fungo através de um processo inflamatório.
•    Virulência da cepa.
•    Sítio infeccioso - Quanto mais profundo e mole for o tecido atingido pelo fungo, maior a intensidade da reação inflamatória.

Habitat natural: O habitat é de acordo com o tipo de queratina que o fungo se alimenta.
Os gêneros podem ser divididos em três grupos com base no habitat natural: geofílico, zoofílico e antropofílico. Os dermatófitos geofílicos normalmente habitam o solo. Os dermatófitos zoofílicos tornaram-se adaptados aos animais e apenas raramente são encontrados no solo. Os dermatófitos antropofílicos tornaram-se adaptados aos humanos e quase não sobrevivem no solo. De acordo com o grau de inflamação tem-se a seguinte ordem: 1º zoofílico, 2º geofílico, 3º antropofílico.


Características gerais dos dermatófitos:
•    Têm habilidade em digerir queratina;
•    São tolerantes a substância anti-fúngica cicloheximida;
•    Têm habilidade em alcalinizar o meio o qual parasitam;
•    São cosmopolitas, sendo restritos a determinadas regiões;
•    O contato agente-hospedeiro pode ser direto (entre indivíduos) ou indireto (através de fômites contaminados). A infecção ocorre através dos artroconídios, que são esporos relativamente resistentes a dessecação, formados por fragmentação das hifas em segmentos retangulares.

A denominação da doença é feita de acordo com a localização topográfica da lesão. Usa-se o prefixo Tinea ou Tinha seguido pelo nome do local infectado. Exemplo: Tinea pedis (Tinha dos pés).
Conforme o agente infeccioso tem-se denominações especiais. Exemplo: Favo (T. schoenleinii) ou Tokelau (T. concentricum).

Podem ocorrer processos alérgicos provenientes da produção de metabólitos decorrentes do parasitismo do fungo. São as dermatofítides, mícides ou alérgides micóticas. Essas alergias sempre decorrem de uma doença micótica pré-existente. Por exemplo: O indivíduo possui Tinea pedis (doença primária) e desenvolve lesões vesiculosas nas mãos (reação alérgica).


Tinea pedisEditar

(tinha dos pés; pé-de-atleta; ringworm of the feet)
Tm.jpg

Trichophyton mentagrophytes. Fonte: http://www.doctorfungus.org/thefungi/trichophyton.php

Causada pelos agentes: Trichophyton rubrum, T. mentagrophytes, Epidermophyton floccosum, Microsporum gypseum.
É uma doença de grande incidência mundial e acomete populações como soldados, estudantes e atletas.
Essas micoses são predispostas por alguns fatores: sudação, umidade, maceração da pele e falta de higiene. O uso intensivo de calçados fechados é ideal para o desenvolvimento desse tipo de micose.

Essas lesões dermatofíticas podem ocorrer na forma aguda ou crônica.
Pedis.jpg

Tinea pedis. Fonte: http://www.doctorfungus.org/mycoses/human/other/tineacorporis_cruris_pedis.php


- Forma aguda: Raramente ocorrem lesões ungueais (o leito ungueal consiste na região abaixo das unhas). Geralmente as lesões têm caráter vesiculoso com produção de líquido claro e seroso e intertriginosas (fissuras). Essas fissuras podem ser fontes para infecções secundárias que apresentam caráter inflamatório.

- Forma crônica: Frequentes lesões ungueais, porém sem a presença de vesículas.
Acomete a planta e borda dos pés, sendo lesões de caráter esfoliativo, escamoso e circinadas (em forma de anel).




Tinea manunEditar

(tinha das mãos)

Causada pelos mesmos agentes da Tinea pedis. É conhecida popularmente como “ácido úrico”.
Tr.jpg

Trichophyton rubrum. Fonte: http://www.doctorfungus.org/thefungi/trichophyton.php


Frequentemente ocorrem lesões vesiculosas. É importante observar se há algum foco primário de infecção, como Tinea pedis, pois as lesões observadas não mãos podem ser dermatofítides (reação alérgica decorrente da produção de metabólitos pelo fungo). As lesões alérgicas têm caráter verruciforme, infiltrativo e não escamoso. Deve-se fazer o diagnóstico diferencial com psoríase na forma crônica.




Tinea corporisEditar

(Tinea circinata ou Dermatofitose circinada)

Ocorre em regiões de pele glabra.
É causada pelos agentes Trichophyton spp e Microsporum spp.
As lesões são geralmente do tipo impinge com pequenos eritemas, manchas pápulo-escamosas bem delineadas e pruriginosas. É comum aparecerem pústulas.
Esse tipo de micose acomete em maior parte crianças e o diagnóstico diferencial é feito com dermatite de contato.


Tinea crurisEditar

(eczema marginatum, dermatofitose marginada, epidermofitia inguinal, tinea da virilha, coceira do jóquei)

Causada pelo Epidermophyton floccosum. Acomete região inguinal, perineal e dobra perianal.
Ao exame físico são vistas placas avermelhadas, descamativas e marginalizadas com bordas circinadas e elevadas. Pode haver vesículas pustulosas e os sintomas são queimação e prurido. Os eczemas pruriginosos são fontes de auto-inoculação.
Os fatores predisponentes para esse tipo de micose é a maceração da pele, banhos prolongados e transpiração.
É comum ocorrer recidivas por reativação do foco ou ocorrência de dermatofítides (reações alérgicas).


Tinea imbricataEditar

(Popular chimberê ou tokelau)
Tinea imbricata.jpg

Tinea imbricata. Fonte: http://tuklasinnatin.wordpress.com/category/agham-at-teknolohiya/page/14/

Causada pelo Trichophyton concentricum.
É uma doença endêmica entre os índios. Ocorre frequentemente nas ilhas do pacífico e no Brasil nas regiões do Mato Grosso e Goiás.
As lesões são em forma de anéis concêntricos com placas escamosas e pruriginosas, com margens elevadas e sem a presença de inflamação.




Tinea capitisEditar

Acomete o couro cabeludo com invasão do pêlo, resultando em alopécia. A infecção ocorre logo acima da raiz
Tinea capitis.jpg

Tinea capitis. Fonte: http://www.edoctoronline.com/dermatology-atlas.asp?c=4&id=24880

do pêlo.
É causada pelo Trichophyton spp e Microsporum spp.
É freqüente em crianças em idade escolar e altamente contagiosa entre humanos e animais.
Divide-se em “tinea favosa” e “tinea tonsurante”

1.    Tinea tonsurante:
a)    Tinea tricofítica: causada frequentemente pelo Trichophyton tonsurans e T. violaceum. Caracteriza-se por pequenas placas lenticuladas e irregulares com presença de crostas gordurosas. Constitui a principal causa de pontos negros (black dots) do couro cabeludo e o fungo produz esporos no interior da haste do cabelo (endotrix). Por esse motivo os cabelos não fluorescem à lâmpada de Wood e sofrem ruptura no orifício folicular. Se houver reação inflamatória o tipo clínico predominante será o “Quérion di Celso”, porém o caráter inflamatório nem sempre predomina.

b)    Tinea microspórica: causada por Microsporum audouinii e M. canis. Forma-se uma placa de tonsura grande, única e redonda de caráter descamativo, pruriginoso, ulcerado. À medida que o cabelo cresce e sai do folículo, as hifas produzem uma cadeia de esporos que formam uma bainha ao redor da haste do cabelo (ectotrix) e que produzem uma fluorescência esverdeada quando os cabelos são examinados sobre a lâmpada de Wood. O pelo é cortado mais distante da raiz.

2.    Tinea favosa:

Outra manifestação é o favo, uma infecção inflamatória aguda do folículo piloso causada pelo Trichophyton schoenleinii, T. violaceum e M. gypseum, que resulta na formação de escútulas (crostas) ao redor do folículo. Essas lesões podem ser referidas como “godet”, “scutula” ou “escudete”. Ocorre foliculite com lesão resultando em alopecia. As hifas são encontradas no interior da haste do cabelo (endotrix) com formação de bolhas de ar e filamentos micelianos.


OnicomicosesEditar

(tinha das unhas, tinea unguium)

•    Causadas por dermatófitos Microsporum spp, Trichophyton spp, Epidermophyton floccosum. Deixam as unhas corroídas, secas e escamosas, com coloração parda e sem comprometimento periungueal, ou seja, não atinge a cutícula. A lesão começa no bordo livre da unha.
•    Por leveduras Candida spp, Torulopsis spp, Rhodotorula spp. Ocorre invasão do leito ungueal. Observa-se paroníquia (dobra periungueal tumefeita, dolorosa, com material sero purulento). É freqüente em pessoas que tenham muito contato com água como lavadeiras, cozinheiras.
•    Por outros fungos das espécies Hemispora, Actinomyces, Aspergillus, Penicillium, Cephalosporium, Scopulariopsis.


ReferênciasEditar

KOSTECKI, M. E. Anotações da aula da Disciplina de Microbiologia e Parasitologia. UNIVILLE. 07/11/2013

JAWETZ, E., MELNICK, A. and ADELBERG, E. A. Microbiologia Médica, 21a ed., ed. Guanabara - Koogan, 2000

TRABULSI, Luiz Rachid; TOLEDO, Maria Regina Fernandes de. Microbiologia. 4. ed. São Paulo: Atheneu, 2005

Links externosEditar

Micose cutâneas

Micoses

Resposta in vitro de fungos agentes de micoses cutâneas frente aos antifúngicos sistêmicos

Mais da comunidade Wikia

Wiki aleatória