Fandom

Wiki AIA 13-17

Regulação Neural da Circulação e Controle Rápido da Pressão Arterial

333 pages em
Este wiki
Adicione uma página
Comentários0 Share

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Editor:Kurt Neulaender Neto

Colaboradores: Lucas Andrei, Giórgio Tondello, Rafael Koerber, Tiago Vasconcelos, Carlos Ehrl

Sistema Nervoso SimpáticoEditar

Guyton 3.jpg

Guyton

As fibras nervosas simpáticas seguem o seguinte trajeto:

- Saem da Medula Espinhal através dos núcleos torácicos e do primeiro ou dos dois primeiros segmentos lombares

- Seguem pelas cadeias  simpáticas, localizadas lateralmente a coluna vertebral.

- Em seguida seguem para a circulação por 2 vias: Por nervos específicos simpáticos ou por segmentos periféricos dos nervos espinhais

*Nervos simpáticos específicos: Inervam a vascularização das vísceras intestinais e do coração.

* Nervos periféricos dos nervos espinhais: Inervam a vascularização periférica.

 Sistema Nervoso ParassimpáticoEditar

- A maioria dos vasos sanguíneos são inervados, sendo que a exceção são os capilares que não possuirão inervação.

 - A inervação das pequenas artérias e arteríolas são de extrema importância pois permitem o controle do aumento da resistência ao fluxo sanguíneo e consequentemente a diminuição da velocidade do fluxo sanguíneo para os tecidos.

- A inervação simpática dos vasos maiores ( principalmente das veias) permite a diminuição do volume dos mesmos. Isto é importante para a regulação do bombeamento cardíaco, pois aumenta o retorno venoso.

Fibras Nervosas Simpáticas para o CoraçãoEditar

- Aumentam: A frequência cárdica, a força de contração e o volume de bombeamento.

Controle Parassimpático do Coração:

- Diminuem: A frequência cardíaca e a contratilidade do músculo cardíaco ( de forma não tão acentuada)

Sistema Vasoconstritor Simpático e seu Controle pelo SNCEditar

Guyton 2.jpg

Guyton


- Presente em todos os segmentos da circulação, porém, com graus variados de potência.

- Função especial nos: Rins, tubo digestivo,baço e pele. * Não é muito eficaz no músculo esquelético e cérebro.

Centro Vasomotor do Cérebro e seu controle pelo Sistema VasoconstritorEditar

- Centro vasomotor do cérebro: Localizado no Bulbo ( substância reticular) e no terço inferior da ponte.

- Transmissão dos impulsos do centro vaso motor do cérebro podem ser pela via parassimpática e pela via simpática.

- Transmissão Parassimpática: Através do Nervo Vago até o coração.

- Transmissão Simpática: Através da Medula Espinhal e Nervos Simpáticos Periféricos.

 Áreas Importantes do Centro VasomotorEditar

Área Vasoconstritora:

-Bilateral

- Localização: Porções  anterolaterais do bulbo superior

- Trajeto: Seguem por fibras que se projetam para todos os níveis da Medula Espinhal

-Função: Excitam os neurônios vasoconstritores pré-ganglionares  do Sistema Nervoso Central.

Área Vasodilatadora:

- Bilateral

-Localização: Porções anterolaterais das metades inferiores do Bulbo.

- Trajeto: Seguem por fibras que se projetam para a área vasoconstritora inibindo-a.

- Função: Inibição da área vasoconstritora, promovendo assim, a vasodilatação.

Área Sensorial:

- Bilateral

- Localização: No Trato Solitário, nas porções posterolaterais do Bulbo  e da Ponte Inferior.

- Trajeto: Esse centro recebe sinais nervosos sensoriais do sistema circulatório através dos nervos vago e glossofaríngeo .

-Função: Ajudam no controle do centro vasoconstritor e vasodilatador, promovendo assim o reflexo de diversas funções circulatórias, como por exemplo o reflexo barorreceptor.

A Constrição Parcial Contínua dos Vasos Sanguíneos é normalmente causada pelo Tônus Vasoconstritor SimpáticoEditar

- Área Vasoconstritora do centro vasomotor transmite sinais para as fibras vasoconstritoras simpáticas em todo o corpo.

- Esta transmissão de impulsos nervosos promove a despolarização das fibras.

-  Deste modo o estado parcial de contração dos vasos sanguíneos é mantida, pois o tônus vasoconstritor está presente.

Controle da Atividade Cardíaca pelo Centro VasomotorEditar

- Aumenta ou diminui a atividade Cardíaca

- A frequência e a força de contração são aumentadas quando há vasoconstrição e são diminuídas quando há inibição.

- Aumento> Fibras simpáticas

- Diminuição> Fibras parassimpáticas ( núcleos dorsais dos nervos vagos)

 Controle do Centro Vasomotor pelos Centros Nervosos SuperioresEditar

- Através de neurônios situados na substância reticular ( da ponte, mesencéfalo e diencéfalo).

- Podem tanto inibir como excitar o centro vasomotor.

- Excitação: Partes lateral e superior da Substância Reticular.

- Inibição: Partes medial e inferior da Substância Reticular.

- Hipotálamo e Córtex Cerebral:  Também possuem efeitos excitatórios e inibitórios no centro vasomotor.

 NoroepinefrinaEditar

- Substância transmissora da vasoconstrição Simpática.

- Age sobre os receptores alfa adrenérgicos da musculatura lisa

- Causa Vasoconstrição

Medulas supra-renais e sua Relação com o Sistema Vasoconstritor Simpático:

- Secretam tanto epinefrina como noroepinefrina.

Epinefrina(Adrenalina)Editar

-Age tanto na vasoconstrição como também na vasodilatação, pois tem um efeito estimulador beta adrenérgico que promove a vasodilatação.

Desmaio Emocional > Síncope VagalEditar

- É uma reação Vasodilatadora.

- Ocorre uma ativação do sistema vasodilatador muscular e do centro vagal cardioinibitório.

- Promove uma diminuição da Frequência Cardíaca e da Pressão Arterial e consequentemente o fluxo sanguíneo também diminui.

- A diminuição do fluxo Sanguíneo para o cérebro provoca a perda de consciência.

Sistema Nervoso e o Controle Rápido Da Pressão ArterialEditar

- Controle bastante rápido, sendo que a inibição é mais demorada.

- Resultado do conjunto de 3 alterações que ocorrem ao mesmo tempo

-  1) Contração da maioria das arteríolas que ocasiona o aumento da resistência periférica total e consequentemente da Pressão Arterial.

-  2) As veias também se contraem fortemente, aumentando assim, o retorno venoso. Deste modo percebe-se um aumento do volume das câmaras cardíacas e por consequência a forca dos batimentos. Contribuindo também para o aumento da Pressão Arterial.

- 3) Estimulo direto do Sistema Nervoso Autônomo sobre o coração aumenta o bombeamento cardíaco e a força de contração. O aumento da força de contração pode chegar a 3x e o volume de bombeamento 2x. Esta associação de aumento de força de contração e aumento do volume de bombeamento contribui para um aumento da Pressão Arterial. 

Exercício Muscular e o Aumento da Pressão ArterialEditar

-Ativação reticular do Tronco Cerebral

- Aumento da estimulação das áreas vasoconstritoras e cardioaceleradoras do centro vasomotor.

- Causa um aumento da Pressão Arterial.

Estresse e o Aumento da Pressão ArterialEditar

- Promove um aumento abrupto da Pressão Arterial ( de 75 a 100mmHG), chamada de reação de Alarme.

- Desencadeia um aumento do fluxo sanguíneo para os músculos para que possa ser realizada uma resposta rápida.

Mecanismo de ReflexoEditar

- Quase todas são por mecanismo de Feedback Negativo

Sistema Barorreceptor:

Guyton.jpg

Guyton

- São estimulados pelo aumento da Pressão Arterial.

- Resposta rápida

- Localizado em pontos específicos das paredes de várias grandes artérias sistêmicas.

- Funcionam por mecanismo de estiramento, ocasionado pelo aumento da Pressão Arterial.

- O aumento da Pressão Arterial faz com que os barorreceptores enviem sinais para o Sistema Nervoso Central.

- Sinais de Feedback Negativo faz com que a Pressão Arterial volte ao normal.

- São abundantes nas paredes de cada artéria carótida interna ( pouco acima da bifurcação, na área conhecida como seio carotídeo). A transmissão neste ponto é dada pelos nervos de Hering e em seguida pelo trato solitário da região bulbar do tronco encefálico.

- Também bastante presentes no arco aórtico, sendo transmitido os impulsos para o nervo vago.

Reflexo Circulatório Causado pelos BarorreceptoresEditar

-Primeiramente Sinais dos barorreceptores chegam ao trato solitário.

- Sinais secundários inibem o centro vasoconstritor do bulbo e excitam o centro parassimpático do bulbo.

- Promovendo assim a vasodilatação tanto das veias como das arteríolas

- Deste modo ocorre uma diminuição da frequência cardíaca e da força de contração cardíaca.

- Concluindo assim que os barorreceptores têm papel importante na diminuição reflexa da Pressão Arterial, devido a diminuição do débito cardíaco e da resistência periférica.

Função dos Barorreceptores na Postura Corporal:

- Grande importância na súbita mudança postural: de deitado para em pé. A mudança repentina poderia provocar uma perda de consciência pela diminuição da pressão arterial na cabeça e na parte superior do corpo. Esta queda de pressão que ocorre faz com que os barorreceptores provoquem um reflexo imediato que acarreta em uma forte descarga simpática que possui como consequência uma regulação da pressão arterial na cabeça e na parte superior do corpo.

Função do Tamponamento Pressórico do Sistema de Controle dos BarorreceptoresEditar

- É chamado de sistema de Tamponamento, pois se opõem ao aumento e diminuição da pressão arterial.

- Os nervos dos barorreceptores são chamados de nervos tampões.

- Importantes para uma manutenção da pressão arterial á uma estreita faixa ( de 85 a 115mmHG) durante todo o dia.

Barorreceptores são Importantes para a Regulação a Longo Prazo?Editar

- Controversa: SIM E NÃO.

- Tendem a se reprogramar ao nível que estão expostos após 1 a 2 dias. (‘’NÃO’’)

- Porém não são totalmente reprogramados. Tendo então importância no controle. ( “SIM’’)

Quimiorreceptores Carotídeos e Aórticos e o Efeito da Falta de Oxigênio sobre a Pressão ArterialEditar

- Reflexo Quimiorreceptor também por estiramento.

- Células sensíveis a falta de oxigênio e ao excesso de dióxido de carbono.

- Localizados nos seios carotídeos e adjacentes á aorta

- Quando ocorre uma queda na pressão arterial os quimiorreceptores são ativados, pois, a queda da pressão arterial diminui o fluxo sanguíneo e consequentemente ocorre uma redução de oxigênio associada ao aumento de dióxido de carbono e íons de hidrogênio.

- Os sinais dos quimiorreceptores excitam o centro vasomotor, elevando assim, a pressão arterial ao valor normal.

- É estimulado de forma potente sob pressões baixas ( abaixo de 80mmhg).

Reflexos Atriais e das Artérias Pulmonares que Regulam a Pressão ArterialEditar

- Existência de receptores de baixa pressão  nas paredes dos átrios e das artérias pulmonares.

- Minimizam as variações de pressões artérias pela percepção da alteração do volume sanguíneo. Pois o aumento do volume promove um aumento da pressão arterial.

- Desencadeiam reflexos paralelos aos dos barorreceptores.

 Reflexos Atriais que Ativam os RinsEditar

- O estiramento dos átrios provoca uma dilatação reflexa das arteríolas eferentes renais.

- Sinais também são transmitidos dos átrios para o hipotálamo que desencadeará uma resposta para a diminuição da secreção do hormônio antidiurético.

- Liberação de peptídeo natriurético também auxilia no aumento da excreção de liquido pela urina e regulação da pressão arterial.

Reflexo Atrial de Controle da Frequência Cardíaca ( Reflexo de Bainbridge)Editar

- O aumento da pressão atrial provoca um aumento da frequência cardíaca. Em parte pelo aumento do volume sanguíneo( frequência pode ser alterada no máximo por 15 % pelo volume sanguíneo) e pelo Reflexo de Bainbridge ( aumento da frequência cardíaca por 40 a 60 %).

- Receptores de estiramento transmitem sinais aferentes pelos nervos vagos para o bulbo. Sinais eferentes são trazidos de volta pelos nervos vago e simpáticos.

- Promovem um aumento da frequência cardíaca e da força de contração.

- Ajuda a impedir que sangue encontre-se acumulado tanto nas veias, como também, nos átrios e na circulação pulmonar.

Resposta Isquêmica do SNC em Resposta á Diminuição do Fluxo Sanguíneo CerebralEditar

- Excitação dos neurônios vasoconstritores e cardioaceleradores do centro vasomotor.

- Aumentando assim a frequência cardíaca.

- Íntima relação com a percepção do acumulo de dióxido de carbono, pelo centro vasomotor, que se acumula como resultado do menor fluxo sanguíneo.

- Formação de ácido Lático e outros ácidos também influenciam o centro vasomotor.

IMPORTÂNCIA:

- É um dos mais importantes mecanismos de ativação do sistema vasoconstritor simpático, podendo elevar a pressão arterial para até 250 mmHg por até 10 min. Este aumento enorme pode chegar a paralisar a produção de urina e obstruir quase totalmente alguns vasos periféricos.

- Só é presenciada em pressões arteriais muito baixas, 60 mmHg ou menos . Pico de estimulação ocorre em pressões de 15 a 20 mmHg. Deste modo ela é de extrema importância em situações de emergência.

Reação de CushingEditar

- promove um aumento da pressão arterial para que o fluxo possa ser reestabelecido no cérebro.

Características Especiais do Controle Nervoso da Pressão Arterial:

Reflexo da compressão Abdominal:

Impulsos transmitidos dos barorreceptores ou quimiorreceptores para os nervos esqueléticos, em seguida para os músculos esqueléticos do corpo em especial para os músculos abdominais.

- Compressão de todos os reservatórios venosos do abdômen , aumentando o retorno venoso.

 - Aumento do débito cardíaco e da frequência cardíaca.

Aumento do Débito Cardíaco e da Pressão Arterial Causado pela Contração da Musculatura EsqueléticaEditar

-Contrações dos músculos esqueléticos promovem a contração dos vasos sanguíneos em todo o corpo

- A consequência disso é a passagem de sangue dos vasos periféricos para o coração e pulmões e deste modo, ocasiona um aumento do débito cardíaco ( 5 a 7 vezes). Esse aumento do débito cardíaco terá efeito sobre a pressão arterial, aumentando-a.

Ondas Respiratórias na Pressão ArterialEditar

- Durante o ciclo respiratório ocorre um aumento e uma diminuição da pressão arterial de forma ondulante (4 a 6 mmHg).

ReferênciasEditar

NETO, Kurt Neulaender. Anotação da disciplina de fisiologia. Univille, 2013.

HALL, John E.; GUYTON, Arthur C. Tratado de Fisiologia Médica. Elsevier, 12ª edição, RIO DE JANEIRO, 2011

CONSTANZO, Linda S. Fisiologia. Guanabara Koogan, 4ª edição, RIO DE JANEIRO, 2008

Links ExternosEditar

Mais da comunidade Wikia

Wiki aleatória